rp_up_0003.jpg

Paraquedista voa em casa com balões como no filme “Up – Altas Aventuras”

O paraquedista Luigi Cani realizou o sonho de Up – Altas Aventuras (Foto: Divulgação)

 

O atleta paraquedista Luigi Cani transformou em realidade a história do filme “Up- Altas Aventuras”. Nele, Carl Fre…

rp_gq_especial_musica_xenia_final.jpg

‘Meu match musical seria com Djavan’, diz Xênia França

Xênia França, uma das #GQVozes que representam a nova música brasileira (Foto: Pedro Dimitrow)

 

Ela fez parte do primeiro Festival Melanina, em Brasília, voltado para manifestações da cultura ne…

rp_45075628_348750862544668_8234711234360901632_n.jpg

Paulo Miklos encarna Adoniran Barbosa em musical pocket

Paulo Miklos (Foto: Divulgação)

 

Na próxima segunda-feira (5), Adoniran Barbosa voltará à vida. Ou quase. Em um show exclusivo no Farol Santander, Paulo Miklos fará uma apresentação intimista interpretando músicas do sambista no melhor estilo “amigos de bar”.

O espetáculo foi criado em parceria com o diretor artístico Marcus Preto e será no estilo musical, com três palcos temáticos inspirados na vida de Adoniran: a “maloca”, o “boteco” e a “estação de trem”.

+ Geração de artistas nascida nas redes mostra o que é a atual música brasileira
+ “Nenhuma história triste é capaz de barrar o poder de uma boa música”, diz Marcelo Falcão, prestes a lançar seu primeiro disco solo

Miklos já deu vida ao sambista em um curta-metragem e agora dá voz ao compositor em cima dos palcos. “Sua música nos retrata e nos define, será um momento muito especial na minha carreira”, diz.

O show é exclusivo e faz parte do programa Priceless São Paulo, da Mastercard.

Serviço
Paulo Miklos canta Adoniran Barbosa
Data: 5 de novembro.
Horário: 21h
Valor: R$400,00 por pessoa.
Ingressos: Mastercard Concierge

rp_polvo_cosa_nostra.jpg

Conheça Alysson Müller, o chef “rei do polvo” de Florianópolis

Polvo Cosa Nostra, criação de Alysson Müller (Foto: Divulgação)

 

Alysson Müller é o chef certo quando o assunto são os sabores do mar. Conhecido como o “rei do polvo” em Florianópolis, sua terra natal, ele destaca na cidade com receitas autorais que exploram novas possibilidades destes ingredientes na cozinha. 

+Um guia rápido para você virar (quase) vegano
+ Maior congresso de gastronomia da Espanha completa 20 anos
+ Um rolê pela Nova Zelândia pelos olhos de Bob Wolfenson

Autodidata, ainda jovem Müller começou a se interessar pelo universo dos sabores e pelas panelas, quando seus pais comandavam um pequeno restaurante em Biguaçu, cidade onde cresceu, em Santa Catarina. Tal sede por conhecimento fez com que Alysson buscasse novas experiências fora da sua zona de conforto.

Em 2010 abriu seu primeiro restaurante: o Rosso. De frente para o mar de Santo Antônio de Lisboa, no norte da ilha, foi lá que o chef se aprofundou em frutos do mar e passou a servir suas receitas de polvo, que ganharam fama e são consideradas sua marca registrada.

Chef Alysson Müller (Foto: divulgação)

 

Hoje, com três casas sob seu comando (além do Rosso, ele tem o Artusi e o D.O. Pescador, no hotel Blue Tree Premium), o chef tenta colocar em prática e total criação dos pratos baseados em suas pesquisas durante viagens. Se você visitar um dos restaurantes, nossa dica de prato é o Gnocchi di ‘Mandioquinha’ Fonduta i Filetto di Manzo, que leva creme de queijo grana padano, roti e filé mignon. É de dar água na boca.

Pra te deixar ainda mais com vontade de conhecer uma das casas do chef Alysson Müller, ele nos mandou a receita de um do prato Polvo Cosa Nostra. Tome nota:

Ingredientes:
700g de polvo cozido

Ragu Siciliano
150g cebola
150g de pimentão amarelo e vermelho
100 ml de tomate pelati
10g de aliche italiano (de preferência de boa qualidade)
10g de uva passa
10g Pinoli
10g mini alcaparra
10ml de vinho branco
20g Brócolis
10g azeitona roxa – picada
Sal – a gosto
Pimenta – a gosto
Coentro – a gosto

Modo de preparo:
Ragu
– Em uma panela de fundo grosso, coloque um fio de azeite extra virgem e refogue a cebola e o pimentão lentamente, até ficar bem macio. Adicione o vinho branco e deixe reduzir. Coloque o tomate, azeitona, refogue bem e deixe reduzir novamente. Após a redução, adicione o brócolis, aliche, uva passa, pinoli e alcaparra. Coloque pimenta, coentro e sal (se precisar já que o aliche é salgado). Sirva o ragu em um prato.

Polvo – Em uma frigideira de teflon aquecida, coloque um fio de azeite extra virgem e o polvo pra grelhar, até ficar com a pele bem crocante por fora e macio por dentro. Sirva o polvo no prato acima do molho.

rp_victorbalde_kingston_promo-45_victor_baldesnapic_cmyk.jpg

Os novos bares, restaurantes – e até hostel – que estão transformando o Baixo Pinheiros

bar (Foto: Victor Balde/)

 

São Paulo é conhecida por acolher pedaços do mundo em uma única metrópole. Talvez a diversão de morar na maior cidade da América Latina seja exatamente essa: ter o mundo aos seus pés. Repleta de bairros temáticos, a capital paulista anda cada vez mais efervescente e o bairro de Pinheiros é a bola da vez, oferecendo experimentos gastronômicos e culturais que só se encaixariam por ali.

Se reinventando quase que diariamente, a área apelidada de Baixo Pinheiros acaba de ganhar um novo sopro de energia – desta vez culpa de quatro estabelecimentos específicos – o hostel CityLights, Mr. Poke, Kingston Club e Botanikafé. Os responsáveis são amigos de longa data e que, juntos, resolveram colocar a mão na massa para fazer aquele pedaço decolar – literalmente!

Os irmãos Cassiano e Nina Bonjardim, norte-americanos filhos de brasileiros, são sócios do hostel; Felipe Scarpa trouxe o Mr. Poke para a cidade após temporada de dois anos entre Austrália e Havaí – é dele também o Botanikafé, que surgiu depois de visitar a namorada, a arquiteta Manu Albuquerque, em Barcelona. Para completar, Lucas ‘Flores’ Lima, Maria Fernanda Alves e o artista Tiago Tebet também são sócios do Kingston Club. Para a chef Renata Vanzetto, mulher de Cassiano, essa nova forma de se agrupar é o futuro. “Esses combos são uma supertendência”, conta ela, que detém um hotspot para chamar de seu na Rua Bela Cintra, nos Jardins, onde é possível, a poucos passos, comer em três estabelecimentos – o restaurante EMA, MeGusta e Matilda Lanches. “Se agrupar acaba virando um destino. Dá para tomar um drinque em um e curtir a noite em outro.
É um programão!”, analisa ela que já se aventurou nas concorridas noites de concurso de dança no CityLights.

+ Conheça os 11 chefs mais promissores do Brasil
+ 10 restaurantes para apreciar no aniversário de São Paulo

“O que está acontecendo hoje em Pinheiros é muito fruto de quem mora por aqui. Estamos no bairro há sete anos, quando o CityLights era apenas um hostel. Na época, eu não morava no bairro, mas já era apaixonado pela vida noturna daqui”, conta Felipe Scarpa, que além de sócio do hostel, viu o carrinho de tuk-tuk do Mr. Poke que ficava parado na frente do CityLights ganhar endereço próprio. “A Rua dos Pinheiros começou com isso e agora está se estendendo para lá e acredito que o CityLights foi um pioneiro. Quando converso com meus sócios em abrir algo novo, pensamos naquela região de baixo Pinheiros. Hoje em dia é o lugar mais legal para ir”, decreta Renata.

E para quem acha que o céu, ou melhor, Pinheiros, é o limite, se engana. A região central da cidade já está na mira do grupo. “O centro é um dos lugares mais cool de São Paulo”, entrega Felipe, que se prepara para expandir a loja do Botanikafé em Pinheiros, além de abrir uma segunda unidade até março de 2019 – possivelmente na região central.

bar (Foto: Victor Balde/)
bar (Foto: Victor Balde/)
bar (Foto: Victor Balde/)
bar (Foto: Victor Balde/)